João Ramos no prólogo
A Toyota Hilux de João Ramos e Victor Jesus venceu esta manhã o prólogo da 31ª edição da Baja Portalegre 500

RAMOS À FRENTE NA BAJA PORTALEGRE

In Desporto by Alexandre CorreiaDeixe um comentário

Ainda só estão cumpridos cerca de 3,5 quilómetros, ou seja, quase nada, se adiantarmos que este sábado serão percorridos 442,4 km até se completar a 31ª edição da Baja Portalegre 500, mas para quem segue na frente é a dupla formada por João Ramos e Victor Jesus. A Toyota Hilux destes dois impôs-se no prólogo por uma escassa margem sobre a Ford Ranger de Ricardo Porém e Hugo Magalhães, completando-se o pódio com mais uma Toyota Hilux, a de Alejandro Martins e José Manuel Marques.

Com o título nacional praticamente decidido a favor de Porém, a verdade é que na frente da prova mais antiga do calendário, que encerra amanhã esta temporada – uma vez que a Baja T.T. do Douro não se realizará – estão reunidos os três grandes animadores deste Campeonato Nacional de Todo Terreno. João Ramos, Ricardo Porém e Alejandro Martins dividem entre si as vitórias nas quatro provas anteriores. E se é verdade que Porém é o único que conseguiu repetir um triunfo, também não é menos verdade que João Ramos foi o primeiro a ganhar e amanhã. nos cerca de 442 quilómetros dos três sectores selectivos que restam cumprir, é de longe o que tem mais a ganhar se arriscar tudo para ser também o último a vencer uma corrida este ano.

A redução do campeonato de seis para cinco provas acabou por reduzir significativamente a discussão pelo título. Desta luta ficou desde já arredado João Ramos, mas Ricardo Porém e Alejandro Martins prosseguem em duelo. Um duelo que é claramente favorável ao piloto da Ford Ranger inscrita pela South Racing, embora seja preciso esperar pelo desfecho da prova para que Porém possa revalidar o título.

Liberto da pressão de necessitar de amealhar pontos, João Ramos procurará em Portalegre aquilo que sempre o motiva nas corridas: ganhar! Mas vencer a prova alentejana é conseguir mais do que uma vitória. Será garantir o triunfo na Baja mais importante da Taça do Mundo de Todo Terreno, que também termina aqui a época de 2017. E isso significaria uma alegre recompensa para a eliminação a que ficou sujeito na discussão pelo título, devido ao cancelamento definitivo da prova que o Gondomar Automóvel Sport deveria organizar nos primeiros dias de Dezembro.

O trio que tem sido responsável pelos momentos mais disputados desta temporada nacional parte amanhã de Ponte de Sor à frente de mais 45 concorrentes, entre os quais há mais alguns que vieram até ao Alentejo empenhados em contrariar os homens que esta manhã tomaram a liderança, no prólogo. A começar pelos brasileiros Guilherme Spinelli e Youssef Haddad, que asseguraram o quarto posto com um dos Mini John Cooper Works Rally do Team X-Raid, depois de terem concedido quase sete segundos e meio aos mais rápidos. Atrás destes, no quinto posto, colocou-se outro dos Mini do Team X-Raid: o carro tripulado pelo chileno Boris Garafulic, que tem como navegador o nosso compatriota Filipe Palmeiro, ele mesmo um natural de Portalegre, que já há vários anos integra o Team X-Raid como navegador profissional; Palmeiro é hoje o navegador com maior número de participações internacionais e o seu piloto já conhece bem o terreno que vão pisar, pois em 2015, na anterior participação em Portalegre, terminou precisamente na posição que agora ocupa, ou seja, no quinto lugar!

E quem também aposta imenso na experiência, ainda mais forte, pois também é de Portalegre e vai sentado ao volante, é Nuno Matos. O Campeão Nacional em título despede-se desta época correndo em casa. Acompanhado por Pedro Marcão, Nuno Matos há meses que espera pela Baja Portalegre 500, última oportunidade para fechar o ano com um resultado relevante, depois das suas opções e experiências de internacionalização terem ficado marcadas por uma extrema discrição. Sexto mais rápido no prólogo, com apenas mais 10 segundos que o vencedor, Matos partirá precisamente atrás dos seus mais fortes adversários, o que poderá oferecer-lhe a vantagem de conseguir controlar o andamento destes, sem que o inverso seja possível. E por vezes, a surpresa é uma ajuda preciosa. Veremos amanhã, que vai ser uma longa jornada pelas terras do Alto Alentejo…

Texto: Alexandre Correia
Fotos: Albano Loureiro

Partilhe este artigo