Na Arábia Saudita disse-se pouco sobre o “Dakar”

Foi esta quinta-feira, não muito longe de Riade, que a A.S.O. promoveu a sessão de lançamento do Rali Dakar 2020. Contudo, na Arábia Saudita disse-se pouco sobre o “Dakar” que será pela primeira vez decorrido na Ásia.

O essencial do próximo Rali Dakar já tinha sido avançado aqui na Todo Terreno, há mais de uma semana. Na apresentação oficial, encabeçada por dois dos príncipes reais sauditas, não faltaram sequer os protagonistas do rali. Entre os convidados com maior notoriedade, contaram-se inclusive os vencedores de uma vintena de edições.

Os nomes de Stéphane Peterhansel, acompanhado pela sua mulher, a também piloto Andrea “Mayer” Peterhansel, foram alguns dos presentes. De Espanha voaram até à Arábia Saudita Laia Sanz e Carlos Sainz. Do Qatar chegou Nasser Al-Attiyah e da África do Sul veio Giniel De Villiers. E a vedeta saudita Yazeed Al-Rahji, obviamente, também não faltou.

Protagonistas validam nova proposta

Convidados
Não faltaram a esta apresentação muitos dos protagonistas do “Dakar”. Da esquerda para a direita, ao lado de David Castera, novo director da prova, vemos Carlos Sainz, Laia Sanz, Andrea Mayer e Stéphane Peterhansel

Agendado para os dias 5 a 17 de Janeiro de 2020, o 42º Rali Dakar terá um percurso com cerca de 9000 quilómetros, integralmente cumpridos na Arábia Saudita. Este será o 30º país visitado pelo rali. E será a segunda vez desde sempre que a prova limita a acção a um único país; depois do Peru, este ano…

A partida será em Jeddah, a segunda maior cidade saudita, junto ao Mar Vermelho. Nos primeiros dias, a prova tomará rumo ao norte, aproximando-se da fronteira com a Jordânia. Serão as etapas mais duras, do ponto de vista de pisos, com alguns traçados montanhosos e pedregosos. Depois, o rumo muda para oriente e a meio da prova a caravana fará uma pausa de 24 horas em Riade.

Depois da escala na capital da Arábia Saudita, o itinerário embrenha-se nas areias do “Empty Quarter”, o maior deserto de dunas do mundo. Mede cerca de 1000 quilómetros de comprimento, por 500 km de largura. Nesta segunda parte, o rali ziguezagueará para oeste e para leste, no sentido ora do Golfo Arábico, ora do Mar Vermelho. Aqui terá de novo percursos mais duros. Mas no final voltam as dunas, que marcam os últimos dias, até Al Qyddiya.

Final na nova cidade de Al Qyddiya

Patrões
Sua Alteza Real Princípe Abdulaziz bin Turki AlFaisal Al Saud e Yann Le Moenner, director geral da Amaury Sport Organisation foram os anfitriões desta sessão de apresentação

A sessão de apresentação do Rali Dakar 2020 teve lugar precisamente no mesmo local onde a 17 de Janeiro do próximo ano a prova terminará. Al Qyddiya é uma pequena cidade, que começou a ser construída apenas em 2018.

Localizada apenas 40 quilómetros a oeste de Riade, Al Qyddiya está ainda em construção. Quando as obras estiverem concluídas, a cidade será um grande centro cultural e de entretenimento. Prevê-se que possa ser inaugurada em 2022. Mas ao acolher a chegada do Dakar já no próximo ano, a cidade ganhará vida antes mesmo de ser inaugurada.

Comentar

Navigate